Neste review, irei apresentar o jogo The Last of Us, criado pela Naughty Dog, exclusivo para a Sony (PS3 e PS4 com a sua versão Remastered). Com um enredo muito envolvente e polêmico o jogo conta com uma tradução para PT-BR bem aceitável (algumas falhas perdoáveis).

The Last of Us nasceu à sombra do jogo conhecido, Uncharted, e o resultado dessa associação foi tão positivo que o jogo faturou diversos prêmios, como título mais esperado do ano e melhor game em exposição na E3 2012. Todos sabiam da qualidade da empresa, e acreditavam que esse seria o primeiro passo diante de uma nova caminhada de sucesso.

Veja Também: Gameplay/Review: Prey – Testei a DEMO

História sensacional

Com uma história diferente e apocalíptica, The Last of Us conta a vida pela visão por dois personagens, Joel e Hellen. Considerado por muitos (inclusive por mim) como a melhor história já jogada, o game conta com diversas cenas de emoções como raiva, medo, felicidade e oiwn amor( 🙄 ).

A trama levada pelo game, começa com Joel, que após uma crueldade perde a sua filha e com o decorrer dos anos e da necessidade tem que efetuar um transporte de uma garotinha, conhecida por Hellen. O tempo de Joel ao lado de Hellen é mais que o suficiente, apesar das faíscas durante a história, para que Joel veja em Hellen o amor que tinha por sua filha.

Hellen, uma menina que apesar de jovem, segue Joel e também o ajuda em diversas situações. Por mais que pareça sentimental, a história se encaixa dentro de um suspense que mexe com o jogador, fazendo com que ele lute pela sobrevivência dos personagens mais da forma que se torce diante de um filme, do que pela fadiga de se atingir o próximo checkpoint. O carisma desenvolvido durante o jogo é inevitável. Vale a pena assistir todas as Cutscenes.

Durante a história, o jogador consegue ver que não somente os transformados (uma espécie de zumbis) são os desafios de Joel e Hellen, mas sim, também a sociedade que busca por sobrevivência.

Gráficos suficientes

Confesso que ao jogar a versão Remastered no PS4 senti uma leve decepção quanto aos gráficos mas que ao decorrer de toda história foi apagada pela interatividade e amor inevitável. Se eu avaliasse os gráficos antes de jogar (somente ao ligar) eu teria avaliado em uma escala de 0 a 10 em 6, principalmente pelos líquidos no jogo. Porém, como estou avaliando agora, depois de diversas horas de jogatina, com certeza caracterizo a capacidade gráfica como o suficiente para uma boa experiência dos players, nota 8.

Não adianta me falar que jogou o jogo inteiro e nenhum momento sentiu um frio na espinha. O game conta com bons efeitos surpresas, que vem junto com efeitos sonoros e fazem com que a tensão circule à sua espinha. Estaladores, como são chamados um dos estágios de contaminação, fazem um barulho tanto quanto arrepiante.

Jogabilidade e inteligência

Durante a jogatina, pode-se observar a interatividade do cenário com a história. A necessidade de se pegar escadas, tábuas e outros artefatos para continuar no caminho, aumenta a experiência do player. As dicas também são mostradas quando o player demora muito para encontrar tal objeto que permite a passagem de local.

Com o desenvolver da história acontece uma evolução com Joel e Hellen no quesito resistência e golpes, quando na primeira luta de Joel, podemos perceber uma certa inexperiência quanto aos golpes, o que dificulta um pouco a eliminação dos inimigos, mas que ao passar do tempo Joel vai ganhando experiência, habilidade e ferramentas suficientes para um bom sobrevivente.

Conforme comentei acima, a possibilidade da criação de ferramentas e acessórios contribui muito para a jornada. Apesar da oportunidade de se utilizar do modo camuflado e pegar os inimigos de surpresa, muitas vezes se faz necessário o combate corpo a corpo e caso você esteja despreparado, irá voltar ao último checkpoint.

Não gostei do multplayer de The Last of Us

Já não é surpresa o modo multiplayer de The Last of Us mostra que veio apenas para somar, assim como em Uncharted. Com uma função de apenas mostrar o seu desenvolvimento a outras pessoas, o multplayer esta longe de ser viciante.

Apesar de não contar com um modo muito atraente de multiplayer, a campanha de The Last of Us faz com que dificilmente esse seja mais um título empoeirado em sua prateleira.

Conclusão

Sem dúvida um ótimo jogo. The Last of Us entrou para a minha lista de favoritos. Me envolvi, gostei e recomendo.

A melhor história que já joguei!

Abraços e até o próximo Review.

REVER GERAL
ENREDO
100 %
AÇÃO
93 %
TRILHA SONORA
95 %
QUALIDADE
93 %
MULTIPLAYER
84 %
FÍSICA/ENGINE
92 %
DIVERSÃO
98 %
Artigo anteriorBlack Friday – Dicas importantes para um bom aproveitamento
Próximo artigoDrones já fazem entregas nos arredores da China
Luis Fernando é escritor e administrador no Papo de Nerd. Ele se concentra em física, ciência, tecnologia, games e séries. Luis tem bacharelado em Engenharia Elétrica e MBA em Engenharia e Manutenção, além de diversos cursos (incluindo cursos técnicos) voltados a área de engenharia e tecnologia. Apesar de trabalhar diversas horas por dia em sua vida cotidiana, consegue algum tempo para se manter atualizado e gerar bom conteúdo para o Papo de Nerd. Atualmente para o seu hobby, ele possui um Moto Z Play e um PS4 Slim.

Comments are closed.